Notícias

Categorias

<<
O Dia dos Fiéis Defuntos é também a Festa da Saudade
O Até Sempre não podia deixar passar este dia em branco e foi conhecer as homenagens que se prestam pelo país.

2/11/2016
Autor: Até Sempre

 

Pretende-se que o dia 2 de novembro seja sinónimo de homenagem aos que já partiram. Celebra-se o Dia dos Fiéis Defuntos e muitos são os que defendem que em vez de luto e tristeza deve lembrar-se a vida daqueles que nos deixaram saudades.

 

Há até quem considere que este dia devia chamar-se “Festa da Saudade”. Falamos de uma ideia defendida pelo padre Carlos Matos, Capelão do Hospital de São José, em Lisboa, pois “embora se recorde quem morreu, e isso tenha trazido tristeza e saudade, essas pessoas continuam vivas”.

 

Esta é uma tradição bastante antiga. Desde o século II que alguns cristãos rezavam pelos falecidos, visitando os túmulos dos mártires. No século V, a Igreja dedicava um dia do ano para rezar por todos os mortos, pelos quais ninguém rezava e dos quais ninguém lembrava.

 

Esta tradição tem percorrido séculos e neste dia 2 continua a manter-se no nosso país, um pouco por todo o lado. “Neste dia vou ao cemitério, lavo a campa da minha mãe, coloco velas e flores. Acho muito importante acender velas neste dia. É sinal de luz”, conta-nos Diana Teixeira, do Porto.

 

Igual tradição é seguida por Maria Alice Soares, de Oliveira de Azeméis, mas não apenas a 2 de novembro: “Acho que devemos homenagear os nossos ente-queridos todos os dias, e eu faço-o. Mas, neste dia é especial, tenho sempre mais cuidado. Limpo a campa, compro flores novas, e até melhorzinhas, e coloco velas novas.”

 

“Eu vou ao cemitério e coloco um raminho de flores frescas, mas é algo que faço todas as semanas”, reforça Aldina Marques, de Guimarães. Já Manuel Silva opta por uma homenagem mais ampla: “Eu vou à missa e à procissão, e rezo por todos os que já morreram. Não rezo só pelos meus e de quem tenho saudades. Rezo por todos. O Dia de Fiéis Defuntos é para isso mesmo, para pensarmos em todos e principalmente naqueles que não têm ninguém.”

 

Por todo o país, a Igreja relembra este dia com um sentimento de saudade e nostalgia. O padre Carlos Matos, Capelão do Hospital de São José, explicou em pormenor este dia ao Até Sempre, veja aqui.

x Notificação de falecimentos
x INSCRIÇÃO WORKSHOP LUTO